sábado, 13 de outubro de 2007

GARIMPO SEMANAL



Autor: Nelson Aires
Contato: nelson_aires@hotmail.com
Disponível em: http://aqui-nao-ha-poeta.blogspot.com/

10 espinhos:

Wagner Bezerra Pontes disse...

Muito bom gostei pra caramba =D
idéia original

Priscila Lopes disse...

Sim, esse português é mesmo criativo. O blog é bastante visual, vale a pena conferir.

Anônimo disse...

há muito que este trabalho vem sendo feito- cooptar a língua descobrindo-lhe inúmeras possibilidades, deslexicalizá-la , desmorfologizá-la, libertá-la da surdez habitual, procurar nela outra dicção. Aprecio umas vezes sim , outras não.... depende do artista, e aqui há artistas!
Romper , romper mas não com traços
que vão envelhecendo!
Até um dia de estes! Consegui alguma coisa?

Priscila Lopes disse...

Gostaria de responder sua pergunta, mas seu anonimato me intriga, e agora mesmo, tentando entendê-lo, percebo não ter entendido.

Quanto à libertação da poesia - imagino a cena hiperbólica de uma moça histérica, ainda virgem, abrindo os braços habilmente forte e desprendendo-se de algemas de aço - bom, a poesia já foi liberta. A poesia é um ato de liberdade.

Quem precisa se libertar é o poeta.

Aline Gallina disse...

Caro anônimo - sinto-me falando com as paredes - creio que o que você quis falar com "depende do artista" trata-se do artista como meio de criação e não como o criador. Porém, a poesia é um ato de libertação - concordo com a Priscila - ou pelo menos deveria ser. Por outro lado, indo mais afundo no que você propôs, as mão não deveriam temer outras dicções.

Anônimo disse...

Em tudo vos percebo e vocês a mim não, raio! É bom tê-las e lê-las ouvi-las, vai mudando .... Assim a língua se descobre ! Quando falo do traço, falo deste abuso em se querer ruptura e não se alcançar . è uma espécie de figurino, espantalho ou linha férrea de palavras.... Tento entender e não entendo , isso é uma provocação circular, nem com a virgem hiperbólica lá fui... descobri-vos
hoje e estou que nem falo. Abraços im -preparardos ! Eu Estou liberado sou poeta e a virgem tentou e nada conseguiu, pariu de outro modo!
Torçam a língua há muitos/as com ela no saco.

Anônimo disse...

Até um dia de- estes !
Está Klaro agora !
eu disse vêm-se fazendo porque li e houve eXperIências em Portugal e nada ... Ficou alguma coisa boa mas pouca e agora renasce aí em fúria ! e e gosto loba!

Aline Gallina disse...

Nossa! Quanta maravilha és capaz de trazer para nosso blog? De maneira alguma não és percebido. Você, que traz sempre muito entusiasmo para que uivamos em luta pelo novo. É de pessoas assim que a escrita contemporânea precisa para crescer. Que os mares, os continentes, as distâncias entre as pessoas, sejam insignificantes perante uma palavra; uma ideologia. Seja bem vindo você. Sempre!

Leonor Cordeiro disse...

Oi Priscila,
Obrigada por ter me visitado "na dança das palavras".
Gostei muito desse seu garimpo, pena que o Nelson Aires não continuo aquele blog, ele é muito criativo.
Volto outras vezes, já estou me sentindo em casa (rs rs rs)
BJS
Leonor

Carol Barcellos disse...

Esse é o verdadeiro poeta, em que a criatividade vem de suas veias, e não somente do cérebro.
Maravilha isso, concordo com Aline Gallina, "é de pessoas assim que a escrita contemporânea precisa pra crescer".

:0)