domingo, 4 de novembro de 2007

abolindo os cacos

Caçoaste da minha ca-
co - caco - fonia; característica
esquisita: mea culpa. Adminto.
Cada qual com sua mania (bem
clichê) a tua: supera-bundar a
exuberância estrutural extra-
passada. Forasteia a tua bandeira:
extradi(c)ção. Excreta-me a
intratável - em tempo hábil - tão
sonhada abolição.

7 espinhos:

Halem Souza (Quelemém) disse...

Mas na linguagem, no fundo, no fundo, as palavras não acabam sendo cacos, com os quais a gente insiste em reconstruir um objeto (o entendimento), quasw sempre imperfeitamente?

Um abraço.

P.S. Já dei meu voto na nova enquete.

sandra camurça disse...

Priscila, grata pela visita. Ó, gostei bastante do blogue de vocês, muito bacana a proposta.

Um abraço.

Suzana Mafra disse...

Cactofonia do cinco espinhos

Visitando

Poemas novos no meu blog

Voe lá

Anônimo disse...

Também eu adminto!
Admentir ! Quem já viu este verbo extraordinário, vou usà-lo, logo logo . Um a braço e outro a- braço!

Marcelo F. Carvalho disse...

Adorei os cacos que você ora corta, ora despreza. Fantástico!
______________
Abraço forte!

Priscila Lopes disse...

Halem, reconstrução do objeto por meio do sEUs cacos, quase como recortes de antigos retratos.

- Uma colcha de retalhos?
- Não.

É novo-velho-novo-velho-novelho
de lã?
de si?

Qualquer nota - não nota? Toca.

ACANTHA disse...

MENINA!!! Isto é ótimo!!! Voltarei, seguramente!