quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

COMO DIRIA CECÍLIA MEIRELES

Motivo

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem triste:
sou poeta.
Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.
Se desmorono ou edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.
Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno e asa ritmada.
E sei que um dia estarei mudo:
- mais nada

7 espinhos:

Samelly disse...

Amo esse poema que é um dos pouco que consegui decorar. Adorei a idéia do blog que com espinhos em quintetos mais parece uma estrela de cinco pontas.

Passeando por aí, cheguei até aqui. E, sinceramente, fui bem vinda!

Beijos recitados,
Samelly Xavier
http://saoseusolhos.blog.terra.com.br

Lunna Montez'zinny disse...

O que dizer? É Cecília e isso por si só basta...

Reini disse...

Simplesmente maravilhoso! Amo eese poema. Inclusive já o recitei.
Parabéns pela escolha da postagem.

Beijos poéticos,
Reini Cardoso
http://gotasdepoesia.blogspot.com

Oliver Pickwick disse...

Belo motivo para poetisar. Bela poesia; bela Cecília; e bela Priscila por publicá-lo.
Beijos!

Rubens da Cunha disse...

sempre é bom retornar a um poema perfeito.
abraços
Rubens

Chico Rosa disse...

Quantas e quantas vezes cantei (e ainda canto) Motivo... Acompanhado por um violão, simplesmente não resisto: Eu canto!

Nei disse...

Quem fica mudo somos nós, lendo cecilia. Bjs.