segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

Engula

..........................................................Letra mais
.............................................letras chegam
............................................mar à tona
...................................de boas vindas
.........................Amontoam-se na boca
........................salivando entre os dentes
.................................engolindo as palavras
........................................GORDOS GOLES:
...........................................blog blog blog blog
.............................................................e mas-
...............................................tigo mastigo
como
(não há mar)
a língua que eu amo?
(não há mar)
as letras que eu amo?
(não há mar)
entretanto
................afogam
............................se...
..................................no seco da garganta
.....................................................descem
.....................................................seus
.....................................................hífens
.....................................................tal
.....................................................vez
.....................................................também
.....................................................os
.....................................................pontos
.....................................................e
.....................................................vír
.....................................................gulas.




poema feito por Aline Gallina e Priscila Lopes

12 espinhos:

chico rosa disse...

Desculpem-me, mas vou ter que ruminar muuuuuito antes de poder engolir por completo... Largo abraço

CeciLia disse...

YES, YES, YES!

É muito cedo
e este poema
abriu-me o dia.

YES! Desceu
-megargant
abaixoes
pinhabai
xo e gor
gole
jou

ribanceiras
na manhã.

Sim, gostei de vir aqui.
Voltarei. YES !!!

Natália Nunes disse...

Muito bom!!
Adoro esses poemas-imagens fragmentários.

Gostei do seu espaço. Gostei :)

felipedamo disse...

não sei porque (insisto tanto em te querer...não, não...esse é o Fagner!) poesia concreta sempre me remete à brincadeiras com essas palavras sérias... de qualquer forma, eu ainda não tinha me tcado da sonoridade da palavra Blog, blog, blog...taí...cada palavra deve ser bem mastigada mesmo...

Fernando Rozano disse...

Excelente blog, Priscila, criativo, instigante, e muita escrita tecendo a pele em belas tramas harmônicas. Meu abraço e até breve.

Suzana Mafra disse...

em gula de poesia

afogo-me

(registro de visita)

Abraço

Poesias e comentários disse...

gostei,inovou minhas idéias.
Obrigado.

Dri disse...

muito bom, afinal, nem só de pão vive o homem, mas também de toda a palavra...

abraços

Caito disse...

Aí menminas, mandaram muito!

Dauri Batisti disse...

Bom, muito bom. Se me permitir vou colocar seu blog na minha lista de links.

Clauky Saba disse...

hummm, gosto de poemas assim, com significado, ritmo e desenho.

Priscila me pediu para deixar meu e-mail aqui. Então lá vai:

clauky@gmail.com

poetabraços

clauky saba

Jasmim Manga disse...

excelente! admiro e de uma certa "boa maneira", até invejo! rs amei...o blog e a poesia!