domingo, 10 de fevereiro de 2008

GARIMPO SEMANAL

Apartheid Soneto




Autor: Avelino de Araújo

8 espinhos:

maraíza disse...

essa imagem ficou muito bacana! posso usá-la em outros lugares, já que a autoria ta bem marcada embaixo dela?

Oliver Pickwick disse...

Lindo, querida amiga! Fizeste uma boa escolha em postar este "soneto". Afinal, é preciso reinventar.
Beijos!

Marilucy disse...

Quando a garganta já consumiu o venenoso silêncio, os olhos alarmam, as mãos se descruzam e se vê a verdade por um soneto que, parado, revelou movimento, história. Pra sempre a arte.

Poeta Sem-Vergonha disse...

vixi, nem sei como cheguei aqui, mas ainda bem que cheguei. cliquei num link e dei de cara com esse soneto fortíssimo. essa garimpada foi das boas.

betina moraes disse...

Pris...

"tudo divino, tudo maravilhoso"

paulo l. logo de cara é bom tapa, carolina caetano é parceira e o blog é excelente. obrigada por ofertar visita tão proveitosa. virei sempre!

abraços

Suzana Mafra disse...

Alguns poemas visuais não me convencem de que sejam poemas. Este me convenceu.

Postei no Borboletras o poema "Milagre", finalista do Palco Habitasul / 2006.

Bom fim de semana!

Rubens da Cunha disse...

excelente poema visual.
parabéns por mais esse garimpo.

abraços

Rubens

Marco Antônio de Araújo Bueno disse...

Para além de um poema visual, por tratar-se de uma forma fixa com se houveram Dante, Camões, tantos...é emblemático de sua própria condição de confinamento ao cânane. Metalinguagem perturbadora; plasticamente elegante. Parabéns!Como disse a maraíza,com as marcas da autoria já constitutivas da peça, farei dela metáforas, ainda, impensáveis.