segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Solo Fértil

Um sol me espia na noite
pálido de pavor.
Creio que fotografa as palavras
que não escrevo
e as imprime nesta folha
branca; minha cara,
eu atropelei o que falavas,
porém, está tão vivo - e isto,
sim, me mata.

O teu balão de vida
full gas
O teu ritmo de régua
full time
esvaziam minha paciência lírica.

Dirás que temo o teu ta-
lento... lento... lento....
- mas o passado ecoa,
não cria novos sons.

Temo é que estas criaturas "tapadas"
não enxerguem o clima que faz hoje:

choveu muito nos últimos 70 anos,
e agora germinam as árvores
das frutas que o Tempo apodreceu
no solo firme do desprezo.


...............................................O sol me espia na noite, pois
................................................já não há como desprezar.

9 espinhos:

Poesia Sim disse...

Priscila, mande seu endereço pro meu e-mail para que eu possa te mandar um presente de Ano Novo.
beijos
Lau

PS. adorei a última estrofe.

Lunna Montez'zinny disse...

Choveu muito nos últimos 70 anos e agora chove lá fora e o cheiro da chuva faz com que eu não sinta o cheiro dos frutos que apodreceram. Forte esse poema.

André disse...

Obrigado pelo comentário, Priscila!
E achei ótima a proposta deste blog, virei visitá-lo sempre que possível!

[jb] disse...

para as meninas do e5pinhos, um feliz 2008, com flores, espinhos, talos, folhas e frutos, equilibrados na membrana frágil do Reino.

Rony disse...

Feliz 2008 pra vc!
E parabéns pela Antologia "Mares diversos, mar de versos..."

Tb tive um poema selecionado para esse Antologia.

Se pudessemos fazer contato, ficaria grato!

Abraços!

ronylima@gmail.com

EMF disse...

O Sol e os olhares atentos espiam os talentos...Irei passando por ca!Beijos!http://DadoFranco.hi5.com

Priscila Lopes disse...

Muito obrigada pelas visitas.

Nós também lhes desejamos um 2008 maravilhoso e intenso.


Ah... braços!

Priscila Lopes disse...

Muito obrigada pelas visitas.

Nós também lhes desejamos um 2008 maravilhoso e intenso.


Ah... braços!

José Oliveira Cipriano disse...

Oi, Priscila!
Gostei muitíssimo!!!!!
A última estrofe é admirável!!!!
Um abraço,

Oliveira