domingo, 23 de dezembro de 2007

GARIMPO SEMANAL

aqui dentro é sempre noite.
aqui dentro eu não perdôo ninguém.
aqui dentro eu tô armado
e há uma revolução em curso.

uma só!
mas que dura há mais de 20 anos.
algo sem igual na historiografia.

(porque fazer revolução para conquistar
uma nação é fácil.
quero ver fazer isso aqui dentro,
onde não há espaço)


Autor: Fabio Jardim

8 espinhos:

Anônimo disse...

Salut Aline.
Então. Já se escreve melhor, ou ainda não?
Estava à espera de um poema transcendental sobre o Natal, mas não chegou!
E a amiga Priscila(nome de minhoca),está em meditação para captar os neutrinos vindos do espaço carregados de ideias mágicas e palavras de massa nula e spin(s)tolos?
Que o pai Natal vos proteja, e vos deixe um saquinho de talento.

Atão atê amanhão!

\-_=/ uma piscadela de olho para a Priscila - a minhoca iluminada, senhora de um curriculum de fazer chorar o Einstein e Heisenberg de ciúme.
Jingo Bell... Jingo Bell...
Ominòna

Anônimo disse...

Aqui dentro há uma nostalgia de
uma Revolução, deixou isto, sendo aquilo ...
Talvez nunca mais volte, , nem é preciso, ou apenas hoje eu a revolte por mais um dia, lendo o que de outro lado é evocado...
Mas eu era apenas um menino e sabia pouco das palavras, ainda hoje...
è mais um estado de (((alma )))
ABRAÇO FRATERNO
jdrm

Lucca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Priscila Lopes disse...

Nunca conheci uma minhoca
tampouco
que se chamasse Priscila;
o trocadilho infantil
troco por Mario Quintana:

"Há leitores que acham bom o que a gente escreve. Há outros que sempre acham que poderia ser melhor. Mas, na verdade, até hoje não pude saber qual das duas espécies irrita mais."

Meu currículo é ainda curto tal qual meu tempo de vida até aqui. Creio que o que lhe incomoda é saber que devo viver por mais uns 40 anos.

A cada poema, desprende-se uma personalidade minha. Nos últimos 12 anos devo, então, ter esculpido centenas de caricaturas - sem sentir-me vazia; estas palavras que excreto, me preenchem.

Mas tu, que rude contraste! És uma criatura única tentando ser duas, e nem Einstein ou Heisenberg perderiam tempo com isso.

Se procuravas uma felicitação natalina, aqui está:

FELIZ NATAL! FELIZ 2008!

...a todos que nos freqüentam.

Lunna Montez'zinny disse...

Gostei do poema...
Nossa! As pessoas seguem se permitindo essas bobagens.
Melhor falar do poema que deixou-me com um sorriso gostoso - no mais, abraços e até breve...

Anônimo disse...

Cara Priscila: gostei desta citação do Quintana, não é, no entanto , um gostar por gostar, é uma voz que acerta, com pouco o que podemos dizer com tantas palavras...
Desejo-vos neste final de ano velho, tudo o que dele esperarem, ou encontrarem, também o próximo cheio de poesia , e o que mais desejarem ... Virei aqui sempre que haja um espinho forte como uma palavra revolvida na terra da língua, vossa ou de cada uma...

jdRm

José Macedo Farias disse...

Aqui percebo que os seus cinco espinhos espetam mais que as palavras de um "anónimo" rude e pobre de espírito (natalino, por que não?).

Este poema, em especial, traduz tudo. Não é fácil, nunca foi.

Meus parabéns pelo blog!

Feliz Natal, criaturas criativas.

José Oliveira Cipriano disse...

Oi, Priscila!
Parabéns pelo seu blog; é belíssimo! Garimpo semanal é um a atitude louvável, um incentivo a mais e demonstra que vc tem um coração imenso. Estou muito feliz por ter descoberto "Cinco espinhos". Parabéns!!!! Parabéns ao felizardo - gostei muitíssimo da poesia dele.
Um abraço,

Oliveira