terça-feira, 14 de outubro de 2008

GARIMPO LITERÁRIO

Se eu me precipitasse...

se eu me precipitasse
em um precipício
e esse fosse a princípio
uma boca que falasse

e essa decidisse
pôr fim à queda e à sua falácia
e predissesse
qual um vate que musas invocasse

meu destino
e o mais que me coubesse
eu principiaria a rir
como se risse fosse

o passe de mágica
que transfigurasse
o que parecia inevitavelmente trágico
na mais despretensiosa tolice
.
.
Autor: Paulo de Toledo

4 espinhos:

Ramon Alcântara disse...

E se o precipício fosse um chão seco sem profundidade, não valeria risos quebrados. Ridicularizados.




abzzz

Leila Andrade disse...

Priscila,
é sempre bom mesmo encontrar espaços que nos arregalam as mãos.
É uma sensação boa mesmo.
Deixo-me aqui por um bom tempo.
Também deixo esta sugestão de caminho bom:
www.diversos-afins.blogspot.com
Beijo

Rubens da Cunha disse...

legal a cara nova.
o bom é que o bom do blog de vcs continua :))
abraços

Fabrício Brandão disse...

Priscila,

E assim essa grande roda, que se chama cultura, vai ganhando impulso para prosseguir seu percurso. É gratificante conhecer um espaço como este aqui.

Obrigado pela visita à Revista DIVERSOS AFINS. Seja sempre bem-vinda! O diálogo está aberto! Nosso contato: diversosafins@gmail.com

Beijos poéticos,

Fabrício