terça-feira, 25 de março de 2008

Aqui

De onde me encontro
- e me perco onde? -
posso ver as fagulhas,
as falácias, a facilidade
com que trabalhas a verborragia
quase inútil - operário das palavras;
examina
dor
dos
dicionários.
O teu trabalho árduo,
o teu canto girassol
é tão emblemático,
tão ensimesmado,
que reluz utópico
diante do anonimato.

De onde me encontro
- e não me procuro -
posso rir, e não me ouves;
posso escrever, e não me lês.
Sou um poeta.

6 espinhos:

felipedamo disse...

"o teu canto girassol"

esse verso merecia um poema inteiro só pra ele

Poeta Vadio disse...

Poeta!! :)

E se queres escrever em verso
Mas a rima sai sem brio
Não há nada de perverso
Em ir ao Poeta Vadio

Dauri Batisti disse...

Examina dor dos dicionários é uma expressão linda para poetas.

JJ disse...

Querida,

Fiz um link para o Cinco Espinhos lá no Arautos. Espero que não se importe (Do contrário, avise-me que posso retirar).

Abraços

PS: O mais importante ficou para um PS: poesia angustiante esta sua. Eu não te dei o direito de me despir assim (risos). Nada posso dizer além de uma frase feita captada pelo meu subconsciente: "Keep walking"!

A Pétala disse...

Algum Arauto me recomendou o seu blog. Gostei muito de todo ele, e especialmente deste poema. Mas só falo que gostei mesmo, seria muita pretensão dizer por quê.

Cibele Cambuci disse...

amei o fim.
bjos