quinta-feira, 3 de abril de 2008

GARIMPO SEMANAL

Depois de agora

A chuva já recomeça:
e o sol ainda resta em frestas
(como o significado da palavra solidão).

O tempo mente o relógio.
Quanto tempo leva?
(uma tristeza para se libertar)

O tic-tac sem pressa...
Uma beleza leva quanto?
(Tempo para germinar)

Quem vai responder,
mesmo que se engane,
saberá que o engano às vezes é bom.

Por dentro
o tempo não pára enquanto
a minha roupa quara,
da janela pra dentro é
o mesmo (tempo.)

Temporal.


Do Poeta Marcos no Sindicato dos Escritores Baratos

6 espinhos:

Luis Eustáquio Soares disse...

se o tempo abstrato do capital nos absorve no dinheiro e não se inscreve no coração da vida, é mesmo necessário garimpar outros tempos, aquém-além o do tic-tac do relógio, como o da poesia...
é isso aí, moça... e obrigado pela visita.
b
luis

Carlos Sidinei disse...

Cara Priscila, você deixou um recado no "Rimando contra a maré", mas não deixou contato. Gostaria de fazer uma participação no Cinco Espinhos. Como procedo?
abraço
carlosidinei@gmail.com

Priscila Lopes disse...

Carlos, somos nós que fazemos a garimpagem dos sites e blogs. Agora que você já participou no Cinco Espinhos com sua identificação, facilita. Nós o visitaremos e, encontrando algo que venha ao encontro da nossa proposta, publicaremos no Garimpo Semanal.

Abraços

Fernando Rozano disse...

forte e denso, as palavras formam escrita riquíssima. belo poema e belíssima escolha. abraços.

Marcos disse...

Agradecido, decido outra hora, o nome fictício...

Caito disse...

é meu amigo!