segunda-feira, 22 de setembro de 2008

O olhar penetrante sobre o corpo de um poema
pode engravidá-lo.

4 espinhos:

Cynthia Lopes disse...

Adorei Priscila, vamos polenizar os poemas, fazê-los grávidos e espalhá-los pelo ar até que todos poetizem!!!!!!!!

Uma boa solução para este mundo de humanos perdidos, não? Bjssss...

Caito disse...

Tenho até medo de pensar em quantos filhos deixei pelo mundo... !!!

Enzo Potel disse...

que lindo isso Priscila!
parabens!

Anônimo disse...

Eu bem sei disso...

Marcos