terça-feira, 23 de setembro de 2008

GARIMPO LITERÁRIO

genealogia
a Cláudio Oliveira

No princípio eram as letras
Desarrumadas Quando nem alfabeto
havia De sentido
apenas a própria matéria
letral Os arranjos faziam-se
Por entre xsc vhal deim
deu no que deu: num verbo
Depois noutro e noutros A partir daí
tudo ficou mais fácil
As letras aprenderam a movimentar-se
De seus encontros nasceram
coisas como mar dobradiçasdo-
asfalto homens sol
roldanas-do-engano chaves-de-fenda
(estas últimas serviam
pra desmontar os encaixes
- com elas é que se descobriu
que dentro de todas as coisas
são letras que existem) Tempo virá
em que os arranjos voltarão a lembrar
estas sintaxes E traçarão outras
Estrangeiras
Começando sempre por onde nunca
se sabe


Autor: Alberto Pucheu

1 espinhos:

Ramon Alcântara disse...

Caro amigo, voltamos um pouco na genealogia pois foi a poesiaimagem que fez o tal deus apertar o on e fazer o big bang e o verdo e a costela de adão. A poesiaimagem! Justifica tudo.



abzzzz

boa poesia!