sexta-feira, 11 de julho de 2008

GARIMPO SEMANAL

A GRACILIANO RAMOS

O dia é um rio. E nele
bebo as estrelas do céu
e recrio
nos remansos de cobras
os bambuzais.
Ao léu, penso ovelhas,
penso folhas que não caem,
carícias de vento nos coqueirais
— a vida que se disfarça.

Do trem que não passou,
penso a fumaça.



Autora: Lenilde Freitas
Disponível em:
http://www.algumapoesia.com.br/poesia3/poesianet251.htm




4 espinhos:

Dauri Batisti disse...

Boa garimpagem... parabéns. O rio, metáfora tão antiga pra vida que vai, ficou manso e doce nesse poema.

Felinea disse...

coisa linda isso aqui! :))

Caito disse...

Ae meninas, esse trampo de garimpagem que vcs fazem é muito genial, devia ter dito isso antes já!

Beijos

Cassandra Brunetto disse...

Ótimo post! Gostomto deste blog! Pena que a correria do dia-a-dia não permite que eu entre aqui com mais assiduidade!